8kg em 23 dias e Abel como pai: a recuperação de Michael...
Fullbanner1



8kg em 23 dias e Abel como pai: a recuperação de Michael no Flu

Fonte: Hector Werlang
SHARE

A aparência ainda é diferente da do jogador que despontou como uma promessa de Xerém. Porém, quase impossível acreditar ser a de quem lutou pela vida na UTI de um hospital, com quadro de coma, trauma crânio-encefálico e infecção pulmonar. Pois Michael, em 23 dias de treinos no CT do Fluminense, mudou. Voltou a correr, a sorrir, a fazer o que ama. Ainda está magro, é verdade. Só que bem menos. Dos 15kg perdidos, desde o acidente de carro e a posterior internação, recuperou 8kg. O trabalho diário, uma mescla entre academia e fisioterapia, não tem previsão de retorno a jogos. Mas um diferencial: o paizão Abel Braga.

Michael foi visto pela primeira vez fazendo exercício físico na manhã de terça-feira, no CT Pedro Antonio. Correu ao redor do gramado, enquanto os companheiros se preparavam para enfrentar o Madureira, nesta quarta-feira, pela Taça Rio. As corridas, aliás, são normais há uma semana. Desde 7 de março, trabalha diariamente. Na oportunidade, ainda com corpo franzino e cicatriz na cabeça, uma conversa com Abelão, o treinador que o lançou no profissional do Tricolor e o trata como filho, animou o atleta a batalhar pela recuperação da condição de atuar. É o que o move a recuperar a massa muscular, um dos primeiros objetivos.

Ele é muito querido aqui. Cometeu os deslizes dele no
passado, isso ficou para trás. Ele teve mais uma chance de mostrar que pode ser
muito mais até do que ele acha. Ele está consciente, tenta recuperar agora o
peso. Enquanto ele estiver aqui, vamos ajudá-lo. Se
pintar uma brecha, pode mostrar o futebol dele – conta o meia Marquinho, um dos líderes do grupo.

Abelão nutre carinho especial por Michael. Além de tê-lo lançado no time, em 6 de junho de 2012, no 1 a 1 com o Santos, na Vila Belmiro, no Brasileiro de 2012, o treinador conviveu com o jogador fora do trabalho. Michael é amigo de Fábio Braga, filho de Abel. Sabe o que ele passou. Sabe do acidente de 9 de janeiro. Sabe do problema com cocaína em 2013. Sabe como lidar com ele.

O Flu também sempre esteve por perto. Dois dias depois do acidente na MG-255 (no trecho entre São Francisco de Sales e Itapagipe), no qual o amigo que dirigia o automóvel atropelou uma vaca (Michael era o carona), o clube enviou um médico para acompanhar a recuperação no Hospital de Base de São José do Rio Preto. Depois que deixou o coma, em 23 de janeiro, e a UTI, em 8 de fevereiro, todos os exames foram feitos. No CT, uma equipe multidisciplinar o acompanha. Envolve médico, fisioterapeuta, nutricionista e preparador físico.

Fora do Flu, a vida de Michael está tranquila. A namorada Beatriz está grávida. Ambos serão pais de Luna.

Michael começou a carreira no Rio Preto, no qual se destacou na disputa da Copa São Paulo de 2011. Foi contratado pelo Fluminense. Desde então, o jogador foi emprestado ao Criciúma, em 2014, ao Estoril e ao América-MG, em 2016, durante o Brasileirão. Antes do acidente, Michael estava acertando os últimos detalhes para fechar com a Ponte Preta.